3 gargalos logísticos que a Solução Loginfo pode resolver 

O que é REDEX e qual sua função? 

REDEX, ou Recinto Especial para Despacho Aduaneiro de Exportação, é uma estrutura física que tem por objetivo simplificar e agilizar o processo de despacho aduaneiro de mercadorias destinadas à exportação.   

Sua função consiste em oferecer um ambiente controlado e especializado para as operações de comércio exterior. Dessa forma, reduz burocracias e custos, facilitando o fluxo de mercadorias para o mercado internacional e fortalecendo a competitividade do setor exportador brasileiro. 

O REDEX na exportação desempenha um papel crucial impulsionando a economia do país ao promover maior eficiência nas transações comerciais. 

Por isso, acompanhe este artigo até o final para saber mais sobre o que é o REDEX, como funciona e os motivos para sua utilização. 

Cenário da exportação brasileira  

O Brasil lidera as exportações globais de soja, petróleo, minério de ferro, celulose, milho, café e carnes bovina e de frango. 

Os principais países consumidores dessas exportações brasileiras, no ano de 2022, foram a China, Estados Unidos, Argentina, Países Baixos (Holanda), Espanha e Chile. 

 As exportações impulsionam a produtividade, inovação e competitividade das empresas, pois exigem adaptação ao mercado externo e proporcionam intercâmbio de tecnologias e know-how com outras culturas, gerando experiências enriquecedoras. 

Entretanto, nos últimos 10 anos, o Brasil caiu do 22º para o 27º lugar no ranking de exportações. As vendas ao exterior sofreram uma queda de 7% em 2019, o maior tombo entre grandes emergentes, como China, Índia e Rússia. 

A participação da indústria brasileira no cenário mundial também diminuiu, de 2,69% em 1994 para 1,19% em 2019. Essa perda nas exportações industriais é preocupante, pois esse setor gera empregos e impulsiona a economia. 

A redução nas exportações para a Argentina e nas vendas de soja para a China são fatores que contribuíram para essa queda. Em contrapartida as exportações para os Estados Unidos apresentaram aumento

Fluxo de um processo de exportação  

É preciso entender como funciona cada etapa de cada processo no comercio exterior. O Fluxo Básico da Exportação compreende as seguintes fases: 

  • Registro da DU-E (Declaração Única de Exportação) para uma ou mais notas fiscais; 
  • O depositário registra no CCT (Controle de Carga e Trânsito) a recepção da carga amparada pelas notas fiscais até o local de despacho; 
  • Logo após a recepção completa da carga, é realizada a apresentação para despacho e determinado o canal de parametrização; 
  • Após o desembaraço da carga, o depositário registra no CCT a entrega ao transportador internacional, seja com base em contêiner, quantidade de volumes, veículos ou granel; 
  • O transportador internacional registra os dados de embarque; 
  • Quando toda a carga é manifestada, a exportação é considerada concluída e, desde que não haja pendências, a DU-E é averbada. 

Mas é importante ressaltar que no caso de trânsito aduaneiro, algumas diferenças se aplicam:  

  • Após o desembaraço da carga, o depositário registra a entrega ao transportador nacional, seja com base em contêiner, número da DU-E ou DAT (Documento Auxiliar de Trânsito); 
  • No local de embarque ao exterior, podem ocorrer três situações diferentes, a saber:  
  1. O depositário ou operador portuário registra a recepção da carga com base em contêiner, número da DU-E ou DAT e posteriormente registra a entrega ao transportador internacional; 
  1. O mesmo transportador que realizou o trânsito nacional entre zonas primárias por via aérea ou aquaviária transportará a carga para o exterior, e não há registro adicional no CCT; 
  1. O transportador internacional registra a recepção da carga do transportador nacional, seja com base em contêiner, número da DU-E ou DAT. 
  • O transportador internacional registra os dados de embarque, e a averbação ocorre quando a carga está completamente exportada e não há pendências na DU-E.  

Fonte: Fluxo Básico da Exportação — Siscomex (www.gov.br).  

O que é REDEX?  

REDEX na exportação, em resumo, é um recinto não-alfandegado de zona secundária. Em geral, localizado no próprio estabelecimento do exportador ou em endereço específico para ser utilizado por vários exportadores, uma vez que ele é de uso público. 

Esse conceito engloba um espaço físico especialmente designado para o controle e liberação de mercadorias a serem exportadas. Nele, os procedimentos alfandegários são simplificados, a fim de reduzir o tempo de espera e a burocracia associada ao processo de exportação.  

Por fim, a lista oficial dos recintos habilitados como REDEX pode ser obtida no site da Receita Federal do Brasil (RFB), que disponibiliza informações atualizadas sobre os recintos autorizados a operar em todo o território nacional.  

Como um REDEX funciona?  

De modo geral um REDEX funciona da seguinte forma na exportação:  

  • A carga é transportada das instalações do exportador para um REDEX; 
  • Toda a documentação exigida para a exportação da carga (Commercial Invoice, Packing List, Certificado de Origem, quando aplicável, entre outros) passa pelo processo de análise da alfândega; 
  • Com os documentos aprovados, a carga é encaminhada para uma vistoria física; 
  • Com tudo nos conformes, a carga é liberada para abertura de Trânsito Aduaneiro entre o REDEX e o porto de embarque;
  • Já na zona portuária a carga passa por uma conferência e então obtém-se a conclusão do processo de Trânsito Aduaneiro;
  • Por fim, a carga recebe permissão para ser embarcada. 

Também é importante lembrar que o REDEX proporciona maior agilidade no processo de exportação, pois é projetado para operações específicas de despacho aduaneiro de exportação. 

Ele oferece um ambiente controlado e otimizado para a execução dessas operações, facilitando assim a liberação de mercadorias e reduzindo os prazos para o envio dos produtos ao mercado internacional. Além disso, o REDEX na exportação pode ser utilizado para realizar a conferência e liberação de mercadorias com maior rapidez, favorecendo a competitividade das empresas exportadoras e a economia do país. 

3 motivos para utilizar um REDEX  

Existem alguns motivos para utilizar um REDEX, e essa decisão deve ponderar caso a caso. Porém, é importante conhecer os principais aspectos que podem auxiliar neste processo de exportação: 

  1. Agilidade no processo: Utilizar um REDEX proporciona rapidez e eficiência no despacho aduaneiro. Esse recinto é projetado para reduzir a burocracia fiscal, o tempo de espera e os trâmites necessários, o que resulta em prazos mais curtos para a liberação das mercadorias e favorece as operações comerciais; 
  1. Redução de custos: Ao optar por um REDEX na exportação, as empresas podem obter vantagens econômicas significativas, como menor tempo de armazenagem das mercadorias, redução de custos com demurrage e outros encargos logísticos. Além disso, a simplificação dos trâmites aduaneiros pode minimizar gastos com assessorias e documentações complexas; 
  1. Facilidade e especialização: Os REDEX são recintos aduaneiros especializados em operações de exportação. Ao utilizar essas estruturas, as empresas contam com um ambiente dedicado e projetado para atender às necessidades específicas desse tipo de operação, o que facilita o cumprimento das exigências legais, melhora a organização das operações e garante maior segurança no processo. 

Facilitamos a sua gestão aduaneira por meio da tecnologia  

A gestão aduaneira é um aspecto crucial para o sucesso das operações de comércio exterior. Na Loginfo, entendemos os desafios enfrentados pelas empresas na área de importação e exportação, e é por isso que oferecemos soluções de ponta para simplificar e otimizar esse processo. 

Nossa tecnologia em Gestão Aduaneira de armazenagem e movimentação de mercadorias proporciona agilidade e eficiência em todas as etapas da cadeia logística. 

Com a nossa plataforma, os clientes podem contar com uma gestão automatizada e integrada, reduzindo significativamente o tempo de trâmites aduaneiros e, consequentemente, os custos associados. 

Portanto, não deixe que a gestão aduaneira se torne um obstáculo para o crescimento do seu negócio internacional. Conte com a Loginfo para impulsionar o seu negócio, garantindo a otimização dos processos logísticos, a redução de custos e o ganho de produtividade.   

Simplifique o seu comércio exterior e conquiste novos mercados globais com a tecnologia e expertise da Loginfo. Entre em contato conosco hoje mesmo e descubra como podemos tornar suas operações mais eficientes e lucrativas! 

3 gargalos que a Solução Loginfo pode resolver 

Você sabe o que são gargalos logísticos na operação de uma empresa internacional? Quais são os principais tipos de gargalos? E como os gestores podem evitá-los para minimizar os custos desnecessários e ainda aumentar a sua lucratividade? 

Para responder a esses questionamentos que são comuns a diversas empresas do comércio exterior e demais setores da indústria, do varejo ao agronegócio, é que abordaremos aqui essa temática. 

Falaremos, portanto, dos gargalos logísticos como fatores fundamentais no impacto negativo das operações internacionais, que levam à redução na competitividade do negócio, além de prejuízos. 

Nesse sentido, algumas ações devem ser tomadas com acerto para auxiliar no gerenciamento fluído das etapas operacionais, mitigando problemas e mantendo-se na frente da concorrência. 

O que são gargalos logísticos? 

Gargalos logísticos são situações que entravam as etapas operacionais, causando atrasos nos procedimentos. Em resumo, podem envolver desde alguma falha de comunicação interna entre setores, como também nos processos cuja estrutura seja inadequada. 

As consequências disso são complicações logísticas e financeiras na busca pela minimização de custos operacionais, sem que seja dada a devida atenção para todo o complexo processo existente no comércio exterior. 

Em resumo, os gargalos logísticos atrapalham o cotidiano do negócio e reduzem o custo-benefício de investimento. Afinal, sem um plano de ação com estratégias para gerenciar riscos e mapear as tarefas, dificilmente a empresa conseguirá se livrar dos entraves. 

Tipos de gargalos logísticos 

A competitividade das empresas internacionais fica abalada como consequência desse mal planejamento, pois não será possível prever os possíveis entraves que prejudicam toda a cadeia de suprimentos empresarial. 

Contudo, os gargalos logísticos podem ser evitados por meio de um diagnóstico prévio dos reais desafios. Isso serve como uma direção a ser tomada e conforme prioridade, o que resultará em operações eficazes. 

Meios de transporte 

Nesse quesito, sabe-se que cada tipo de modal de transporte envolve um tipo de gargalo diferente. De maneira geral, os gargalos logísticos no transporte de mercadorias ocorrem por diversos motivos, como, por exemplo: 

  • falta de manutenção dos meios de transporte; 
  • formas ineficientes no escoamento de cargas; 
  • péssimas condições de rodagem no território brasileiro; 
  • custos altos nos transportes doméstico e internacional; 
  • tarifas elevadas em aeroportos. 

Manutenção de estoque 

As operações que ocorrem no estoque das empresas do comércio exterior irão direcionar os processos logísticos para o melhor gerenciamento de todo o armazém, mantendo a fluidez na linha de produção, atendendo aos clientes nos prazos estabelecidos, como também garantindo boas margens de lucro em uma cadeia de suprimentos bem mais confiável. 

Assim sendo, existem métodos de controle de estoque que são fundamentais para a determinação dos aspectos operacionais e financeiros, de cada tipo de empresa importadora ou exportadora, influenciando na escolha da melhor opção, por meio da estratégia certa, garantindo os benefícios desejados, que são: 

  • espaço físico bem aproveitado; 
  • diminuição nos desperdícios ou faltas de insumos; 
  • redução dos custos operacionais e prejuízos; 
  • otimização das compras para manter a produção eficiente. 

A tecnologia sempre virá como aliada na organização e no controle da manutenção dos estoques para evitar os gargalos logísticos, por meio de alguns métodos na melhoria da gestão. 

Abaixo, listamos algumas dessas ferramentas: 

  • PEPS (Primeiro que Entra, Primeiro que Sai); 
  • UEPS (Último a Entrar, Primeiro a Sair); 
  • Custo Médio por produto; 
  • Just in Time; 
  • Curva ABC; 
  • Ciclo PDCA (Planejar, Fazer, Verificar e Agir). 

Processamento de pedidos 

Pode ocorrer o entrave nos pedidos dos clientes por conta de falhas internas que resultam no atraso do fluxo de entrega, prejudicando o trabalho e gerando erros operacionais que diminuem a eficácia dos processos. 

Além disso, poderão ocorrer falhas na comunicação entre os colaboradores ou equipes inteiras, nas trocas de informações pertinentes para a verificação da disponibilidade de insumos ou matéria-prima, assim como no compartilhamento de documentos necessários aos pedidos realizados. 

3 gargalos que podem ser evitados com a Loginfo 

É muito importante identificar as causas que geram os gargalos logísticos, pois, assim, os gestores do comércio exterior podem iniciar um plano de ação que permita ir em busca de atitudes certeiras que auxiliem na antecipação das providências cabíveis, antes mesmo que os entraves se formem, criando estratégias eficazes para a manutenção e o controle das situações existentes. 

Falta de planejamento 

Sem planejamento operacional e financeiro as empresas do comércio internacional não conseguirão evitar os gargalos logísticos, afinal, isso deixa a rotina menos ágil e dinâmica. 

Caso os gestores não atentem para as devidas estratégias por um melhor atendimento das demandas, a qualidade dos fluxos de trabalho estará comprometida, assim como serão constantes as falhas na entrega de resultados do negócio. 

Nesse sentido, é essencial manter um planejamento das ações para a redução dos obstáculos que poderão gerar problemas nos fluxos de transporte ou de produção, afetando o melhor aproveitamento de recursos e o aumento competitivo da empresa. 

Gestão ineficiente de armazéns 

A falta de gerenciamento do armazém causará um gargalo crítico na fluidez dos produtos pelo estoque, atingindo também o consumidor que terá o prazo de sua entrega atrasado, além da cadeia produtiva da empresa que perderá a confiança dos clientes. 

Em primeiro lugar, faz-se necessário manter a contagem correta dos itens para que não ocorram erros na separação do pedido. Em seguida, deve-se executar o projeto do layout do armazém para a adequação das operações, conforme as necessidades de acessibilidade ao produto. 

Posteriormente, é sempre bom efetuar a devida localização do estoque, conforme a quantidade de itens e a disponibilidade do espaço físico. 

Finalmente, efetua-se a coleta do produto para embalar, separar de acordo com o pedido e enviar até o seu destino final. 

Atrasos 

Os atrasos operacionais ocasionados pelos gargalos logísticos deixarão os clientes insatisfeitos, além disso, a empresa não chegará aos resultados desejados. 

Muitos atrasos são decorrentes de fatores de tempo, bem como podem estar relacionados ao mal treinamento da equipe com relação ao sistema que gerencia o armazém. 

Com uma boa organização no projeto do armazém, pode-se reduzir e muito o problema dos atrasos, pois os produtos que saem com maior frequência poderão ser localizados com mais facilidade, na frente dos demais com menor rotatividade, o que facilitará a sua coleta e envio. 

Conte com a Loginfo para evitar gargalos logísticos 

A Loginfo poderá ajudar a sua empresa na gestão inteligente do seu armazém, por meio de sua tecnologia que atua na organização aduaneira de armazenagem e de movimentação de mercadorias, trazendo benefícios como a otimização dos seus processos logísticos, reduzindo os custos e aumentando a produtividade. 

Somos especialistas no mercado de soluções para os setores portuários e de armazéns gerais, concentrando processos operacionais, comunicação e digitalização de documentos de forma fácil, intuitiva e ágil. Tudo isso mantendo o controle total das operações por meio da web. 

Leia mais

Mais vistos nesse momento