Conheça os tipos de picking e como otimizar esse processo

O que é REDEX e qual sua função? 

REDEX, ou Recinto Especial para Despacho Aduaneiro de Exportação, é uma estrutura física que tem por objetivo simplificar e agilizar o processo de despacho aduaneiro de mercadorias destinadas à exportação.   

Sua função consiste em oferecer um ambiente controlado e especializado para as operações de comércio exterior. Dessa forma, reduz burocracias e custos, facilitando o fluxo de mercadorias para o mercado internacional e fortalecendo a competitividade do setor exportador brasileiro. 

O REDEX na exportação desempenha um papel crucial impulsionando a economia do país ao promover maior eficiência nas transações comerciais. 

Por isso, acompanhe este artigo até o final para saber mais sobre o que é o REDEX, como funciona e os motivos para sua utilização. 

Cenário da exportação brasileira  

O Brasil lidera as exportações globais de soja, petróleo, minério de ferro, celulose, milho, café e carnes bovina e de frango. 

Os principais países consumidores dessas exportações brasileiras, no ano de 2022, foram a China, Estados Unidos, Argentina, Países Baixos (Holanda), Espanha e Chile. 

 As exportações impulsionam a produtividade, inovação e competitividade das empresas, pois exigem adaptação ao mercado externo e proporcionam intercâmbio de tecnologias e know-how com outras culturas, gerando experiências enriquecedoras. 

Entretanto, nos últimos 10 anos, o Brasil caiu do 22º para o 27º lugar no ranking de exportações. As vendas ao exterior sofreram uma queda de 7% em 2019, o maior tombo entre grandes emergentes, como China, Índia e Rússia. 

A participação da indústria brasileira no cenário mundial também diminuiu, de 2,69% em 1994 para 1,19% em 2019. Essa perda nas exportações industriais é preocupante, pois esse setor gera empregos e impulsiona a economia. 

A redução nas exportações para a Argentina e nas vendas de soja para a China são fatores que contribuíram para essa queda. Em contrapartida as exportações para os Estados Unidos apresentaram aumento

Fluxo de um processo de exportação  

É preciso entender como funciona cada etapa de cada processo no comercio exterior. O Fluxo Básico da Exportação compreende as seguintes fases: 

  • Registro da DU-E (Declaração Única de Exportação) para uma ou mais notas fiscais; 
  • O depositário registra no CCT (Controle de Carga e Trânsito) a recepção da carga amparada pelas notas fiscais até o local de despacho; 
  • Logo após a recepção completa da carga, é realizada a apresentação para despacho e determinado o canal de parametrização; 
  • Após o desembaraço da carga, o depositário registra no CCT a entrega ao transportador internacional, seja com base em contêiner, quantidade de volumes, veículos ou granel; 
  • O transportador internacional registra os dados de embarque; 
  • Quando toda a carga é manifestada, a exportação é considerada concluída e, desde que não haja pendências, a DU-E é averbada. 

Mas é importante ressaltar que no caso de trânsito aduaneiro, algumas diferenças se aplicam:  

  • Após o desembaraço da carga, o depositário registra a entrega ao transportador nacional, seja com base em contêiner, número da DU-E ou DAT (Documento Auxiliar de Trânsito); 
  • No local de embarque ao exterior, podem ocorrer três situações diferentes, a saber:  
  1. O depositário ou operador portuário registra a recepção da carga com base em contêiner, número da DU-E ou DAT e posteriormente registra a entrega ao transportador internacional; 
  1. O mesmo transportador que realizou o trânsito nacional entre zonas primárias por via aérea ou aquaviária transportará a carga para o exterior, e não há registro adicional no CCT; 
  1. O transportador internacional registra a recepção da carga do transportador nacional, seja com base em contêiner, número da DU-E ou DAT. 
  • O transportador internacional registra os dados de embarque, e a averbação ocorre quando a carga está completamente exportada e não há pendências na DU-E.  

Fonte: Fluxo Básico da Exportação — Siscomex (www.gov.br).  

O que é REDEX?  

REDEX na exportação, em resumo, é um recinto não-alfandegado de zona secundária. Em geral, localizado no próprio estabelecimento do exportador ou em endereço específico para ser utilizado por vários exportadores, uma vez que ele é de uso público. 

Esse conceito engloba um espaço físico especialmente designado para o controle e liberação de mercadorias a serem exportadas. Nele, os procedimentos alfandegários são simplificados, a fim de reduzir o tempo de espera e a burocracia associada ao processo de exportação.  

Por fim, a lista oficial dos recintos habilitados como REDEX pode ser obtida no site da Receita Federal do Brasil (RFB), que disponibiliza informações atualizadas sobre os recintos autorizados a operar em todo o território nacional.  

Como um REDEX funciona?  

De modo geral um REDEX funciona da seguinte forma na exportação:  

  • A carga é transportada das instalações do exportador para um REDEX; 
  • Toda a documentação exigida para a exportação da carga (Commercial Invoice, Packing List, Certificado de Origem, quando aplicável, entre outros) passa pelo processo de análise da alfândega; 
  • Com os documentos aprovados, a carga é encaminhada para uma vistoria física; 
  • Com tudo nos conformes, a carga é liberada para abertura de Trânsito Aduaneiro entre o REDEX e o porto de embarque;
  • Já na zona portuária a carga passa por uma conferência e então obtém-se a conclusão do processo de Trânsito Aduaneiro;
  • Por fim, a carga recebe permissão para ser embarcada. 

Também é importante lembrar que o REDEX proporciona maior agilidade no processo de exportação, pois é projetado para operações específicas de despacho aduaneiro de exportação. 

Ele oferece um ambiente controlado e otimizado para a execução dessas operações, facilitando assim a liberação de mercadorias e reduzindo os prazos para o envio dos produtos ao mercado internacional. Além disso, o REDEX na exportação pode ser utilizado para realizar a conferência e liberação de mercadorias com maior rapidez, favorecendo a competitividade das empresas exportadoras e a economia do país. 

3 motivos para utilizar um REDEX  

Existem alguns motivos para utilizar um REDEX, e essa decisão deve ponderar caso a caso. Porém, é importante conhecer os principais aspectos que podem auxiliar neste processo de exportação: 

  1. Agilidade no processo: Utilizar um REDEX proporciona rapidez e eficiência no despacho aduaneiro. Esse recinto é projetado para reduzir a burocracia fiscal, o tempo de espera e os trâmites necessários, o que resulta em prazos mais curtos para a liberação das mercadorias e favorece as operações comerciais; 
  1. Redução de custos: Ao optar por um REDEX na exportação, as empresas podem obter vantagens econômicas significativas, como menor tempo de armazenagem das mercadorias, redução de custos com demurrage e outros encargos logísticos. Além disso, a simplificação dos trâmites aduaneiros pode minimizar gastos com assessorias e documentações complexas; 
  1. Facilidade e especialização: Os REDEX são recintos aduaneiros especializados em operações de exportação. Ao utilizar essas estruturas, as empresas contam com um ambiente dedicado e projetado para atender às necessidades específicas desse tipo de operação, o que facilita o cumprimento das exigências legais, melhora a organização das operações e garante maior segurança no processo. 

Facilitamos a sua gestão aduaneira por meio da tecnologia  

A gestão aduaneira é um aspecto crucial para o sucesso das operações de comércio exterior. Na Loginfo, entendemos os desafios enfrentados pelas empresas na área de importação e exportação, e é por isso que oferecemos soluções de ponta para simplificar e otimizar esse processo. 

Nossa tecnologia em Gestão Aduaneira de armazenagem e movimentação de mercadorias proporciona agilidade e eficiência em todas as etapas da cadeia logística. 

Com a nossa plataforma, os clientes podem contar com uma gestão automatizada e integrada, reduzindo significativamente o tempo de trâmites aduaneiros e, consequentemente, os custos associados. 

Portanto, não deixe que a gestão aduaneira se torne um obstáculo para o crescimento do seu negócio internacional. Conte com a Loginfo para impulsionar o seu negócio, garantindo a otimização dos processos logísticos, a redução de custos e o ganho de produtividade.   

Simplifique o seu comércio exterior e conquiste novos mercados globais com a tecnologia e expertise da Loginfo. Entre em contato conosco hoje mesmo e descubra como podemos tornar suas operações mais eficientes e lucrativas! 

Hoje, existem diferentes tipos de picking — métodos de separação de pedidos em armazéns. 

Basicamente, se trata de um aspecto importante em qualquer armazém, tendo impacto direto na satisfação dos clientes. Nesse sentido, se os seus métodos atuais de separação forem ágeis, isso significa que o seu negócio tem mais chances de atingir o sucesso. 

Sendo assim, fica claro que a separação de pedidos é fundamental para qualquer armazém tornar os processos mais organizados e práticos.  

Existem, então, vários tipos de sistemas de separação de pedidos utilizados pelos armazéns para aumentar a produtividade e precisão das lojas. 

Nesse sentido, conhecer os diferentes tipos de picking é essencial para que os operadores logísticos tomem a melhor decisão no que diz respeito à execução de operações — e é sobre isso que vamos falar hoje. 

Por isso, continue lendo e aprenda mais sobre como implementar as melhores práticas em separação de mercadorias em armazéns para aumentar o lucro do seu negócio!

O que é e quais são os tipos de picking?

De maneira geral, o picking se refere ao processo de seleção de itens de um estoque em armazém para atender aos pedidos dos clientes

Trata-se, portanto, de uma parte importante da cadeia de abastecimento, sendo uma atividade trabalhosa e rigorosa nos armazéns. 

Por essa razão, cada vez mais as empresas têm buscado métodos para otimizar os processos na organização, para que o picking se torne otimizado e proporcione separação e entregas eficientes para os consumidores. 

Sendo assim, aqui estão os principais tipos de picking para você escolher e melhorar as práticas internas do seu negócio:

Discreto

O picking discreto é o mais comum se tratando de separação de pedidos porque é o mais básico. 

Em linhas gerais, ao empregar uma metodologia de separação de pedidos discreta, um funcionário seleciona um pedido, sendo uma linha de cada vez. 

Além disso, há apenas uma janela de programação de pedido durante um turno — fazendo com que os pedidos possam ser retirados em qualquer momento. 

Dessa forma, as vantagens de usar este método de separação de pedidos são muitas, uma vez que ele proporciona uma operação ideal que fornece tempo de resposta rápido e precisão para a equipe.

Por onda

Nessa modalidade, os pedidos são agrupados em conjuntos ou ondas de acordo com fatores como localização do cliente, frequência do pedido, tipo de pedido, zonas de separação, data de entrega, entre outros. 

Assim, no picking por onda, os pedidos podem ser programados para serem separados em horários específicos do dia, o que geralmente é feito para melhorar as operações de separação e envio.

Por lote

No caso do picking por lote, são otimizadas as atividades de coleta, recuperando SKUs em massa para atender a vários pedidos de uma vez. 

Como resultado, isso minimiza o tempo de viagem e acelera as operações de atendimento, primordialmente para depósitos que recebem vários pedidos contendo os mesmos SKUs.

Por zona

Por último, o picking por zona é uma maneira eficiente de melhorar a produtividade do armazém, atribuindo funcionários para trabalhar em um conjunto específico do piso do depósito. 

Nesse caso, um trabalhador seleciona o pedido na zona de peças grandes, por exemplo, e, em seguida, passa o pedido ao trabalhador que está na zona de peças pequenas. 

Assim, cada zona pode usar seu próprio tipo de tecnologia e sistema de armazenamento, fazendo com que os pedidos possam ser separados de zona para zona ou entregues em um ponto específico antes do envio.

Maneiras de otimizar o processo

Não importa em qual setor você atue, certamente existem uma série de práticas recomendadas de picking que visam melhorar o processamento geral dos pedidos.

Sendo assim, a implementação de melhorias pode oferecer maior precisão, produtividade e rendimento, maximizando a eficiência de toda a equipe ao passo que a satisfação do cliente é aumentada.  

Por isso, confira algumas maneiras de otimizar o processo e garantir mais sucesso para a suas operações logísticas:

Treinamento dos preparadores

É muito importante treinar os seus operadores para que eles não tenham retrabalho se tratando dos processos de embalagem e revisão dos pedidos. 

Assim, os passos desnecessários são reduzidos, economizando tempo e aumentando a rentabilidade do armazém geral.

Organização do armazém

É fundamental que as mercadorias sejam armazenadas corretamente para que os preparadores não tenham que ficar procurando os itens por muito tempo. 

Isso garante maior otimização de tempo e processos mais organizados. Nesse contexto, uma boa dica é colocar os produtos de maior demanda perto do lugar de preparação dos pedidos e, evidentemente, os de menor demanda um pouco mais longe. 

Como resultado, você terá um ambiente mais organizado e que comporte os diferentes tipos de picking corretamente.

Escolher o melhor tipo de picking

Depois de conhecer os principais tipos de picking existentes na logística, nossa sugestão principal é que você escolha o que mais se adequa às necessidades do seu negócio. 

Com o picking certo escolhido, os processos que dependem de ações do armazém geral serão melhorados ao passo que a equipe se torna mais produtiva, eficiente e preparada para lidar com situações que envolvem tomadas de decisão.

Como o sistema de WMS otimiza o picking?

Hoje, os armazéns ficam no centro das operações da cadeia de suprimentos porque contêm todo o material usado ou produzido nesses processos, desde as matérias-primas até os produtos finais. 

Dessa maneira, ajuda a garantir que os bens e materiais sejam movidos pelos depósitos de maneira eficiente e econômica é o objetivo de um sistema WMS

Assim, um WMS lida com muitas funções que permitem esses movimentos, incluindo rastreamento de estoque, separação, recebimento e expedição em armazéns, fazendo com que os processos de picking se tornem mais eficazes para a empresa.

Além disso, ele também fornece visibilidade do inventário de uma organização a qualquer hora e local, o que é muito benéfico para evitar imprevistos

Então, se você quer saber mais sobre as soluções que uma gestão de armazém oferece para o seu negócio, clique aqui e saiba mais sobre os sistemas e softwares da Loginfo!

Leia mais

tipos de picking

Mais vistos nesse momento